No âmbito da sua acção de responsabilidade social e com vista a mitigar os efeitos da pandemia do Coronavírus, a Reitoria da Universidade Católica de Moçambique (UCM) procedeu no dia 22 de Maio, no recinto da Igreja São José da Munhava a distribuição de produtos de primeira necessidade, mascaras, produtos de higiene bem como palestras sobre os métodos de prevenção da Covid-19 e o uso correcto das mascaras de protecção a famílias carenciadas.

A cerimonia que teve lugar no bairro da Munhava contou com a presença do Governador da província, Lourenço Bulha, Magnifico Reitor da UCM, Prof. Doutor Padre Filipe Sungo, Vice-reitores, Membros de direcção da região sede da UCM, membros da comissão sobre o Covid-19, funcionários da UCM e os beneficiários.

Numa breve intervenção, falando aos beneficiários, o Magnifico Reitor da Universidade Católica de Moçambique (UCM) disse que esta iniciativa visa diminuir a carência das pessoas ajudando assim a manter estes longe da rua o que consequentemente reduzira a probabilidade de infecção pelo Coronavírus.

Padre Sungo disse aos beneficiários que apesar da Universidade estar também a ser afectada pela pandemia, encontrou dentro da sua responsabilidade social, fundos que possibilitaram a aquisição dos bens aqui distribuídos para apoiar ao próximo e mais vulnerável.

“O pouco que a Universidade Católica de Moçambique consegue fez de tudo para partilhar com os demais” –disse o Reitor

Por sua vez, o governador da província, agradeceu a Universidade Católica de Moçambique pela iniciativa que considerou de louvável, e encorajou a continuar com estas acçoes, respondendo de certo modo os apelos do governo no que concerne na redução da fome.

“A Universidade Católica de Moçambique tem feitos muitas vezes essas acções na sua responsabilidade social, o que é bom, e tem ajudado ao governo a solucionar alguns problemas que as populações tem por conta do confinamento e a pobreza é um problema” –disse Lourenço Bulha.

Os beneficiários saudaram a iniciativa da UCM e disseram que com este gesto irá ajuda-los a ficarem em casa, visto que não terão motivos de se fazerem a rua, o que os deixará longe do circuito da contaminação.

De recordar que estas acções, segundo a UCM, irão continuar com vista a minimizar os efeitos da Covid-19.