Sexta-feira · 19 Janeiro 2018
Futuros Estudantes
Estudantes
Académicos
Funcionários
Graduados

Extensão de Lichinga, Lichinga | 26.10.2017

A Extensão de Lichinga organiza encontro ecuménico alusivo ao Dia da PAZ

A Pastoral da Extensão de Lichinga da Universidade Católica de Moçambique (UCM) promoveu no dia 3 de Outubro de 2017, um encontro ecuménico com os seus estudantes, por ocasião da celebração dos 25 anos da Assinatura dos Acordos de Paz entre o então presidente da República, Joaquim Alberto Chissano e o presidente da Renamo, Afonso Macacho Marceta Dhlakama, no dia 4 de Outubro de 1992 em Roma.
A cerimónia iniciou com uma missa presidida pelo capelão da Unidade Básica (UB), Padre Adelino Lopes. Esta celebração teve também como referência São Francisco de Assis.
O encontro consistiu em sessões de palestras apresentadas pelos senhores Wítica Saíde, em representação do Conselho Islâmico, Dr. Mupacho Félix em representação da Igreja Católica e pelo estudante Virgílio do 4º Ano de Direito em representação do Conselho Cristão de Moçambique, sob o tema em debate a Paz, a Reconciliação e a Tolerância.
A tónica das intervenções: a paz é construída em todos os momentos em que o homem vive através de acções, frases, palavras, ideias, frases e pensamentos para dar resultado o respeito ao outro. A paz implica considerar o outro como superior. Ademais, ela implica a reconciliação com Deus, como Ele nos reconciliou em Jesus Cristo. O homem como beneficiário tem o dever de se reconciliar com os outros: (Faz o bem evita o mal, Kant).
No fim de cada sessão o capelão da UB teceu algumas considerações dizendo que a UCM oferece estes momentos do ecumenismo porque ela tem estudantes de quase todas as confissões religiosas existentes em Moçambique, como prova de uma verdadeira tolerância cristã e um sinal visível do ecumenismo. Para tal, a UCM procura interligar o seu múnus da formação integral, consciencializando a todo o homem criado a imagem e semelhança de Deus (Gn 1,26).
No final, o capelão da UB, agradeceu a presença e participação de todos, e deixou ficar uma observação segundo a qual as religiões devem estar comprometidas na manutenção da paz, reconciliação e tolerância no espaço onde cada um se encontra sem olhar as diversidades étnicas, religiosas, género, classe social e idade. A paz corresponde ao respeito dos Direitos Humanos (dignidade humana) e encerrou o evento com uma oração.

Facebook Google Digg LinkedIn Twitter
<< Ir a Notícias